A Morte de Ophelia

Modelo: Beatriz Barcelos
Local: Serra dos Órgãos – Petrópolis RJ

Morte de Ophelia 01

Morte de Ophelia 02

Morte de Ophelia 04

Morte de Ophelia 06

Morte de Ophelia 07

Morte de Ophelia 08

Morte de Ophelia 09

Morte de Ophelia 10

Morte de Ophelia 11

Exposição Zen nas Ruas

Amante da fotografia analógica (de filme), Leo Rey faz do caminhar e fotografar sua terapia diária, uma espécie de meditação zen. Com esta exposição, convida a todos para um passeio pelas ruas, onde tudo e nada podem acontecer. Até porque, fotografar a própria cidade só se torna mais fácil, quando o desafio de observar e aceitar a impermanência e imperfeição das coisas é superado. Afinal, na rua, nada controlamos, a não ser a câmera, capturando o caos que se manifesta em cada esquina em cenas que surgem diante de nós, como num filme da vida real.

ZEN-NAS-RUAS

Veja o mapa:

Acampamento em Guapimirim

Dias atrás, estive acampado no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, sede Guapimirim. Um lugar muito bonito com uma densa floresta de mata atlântica e banhado pelo belíssimo Rio Soberbo com suas rochas arredondadas e água límpida.

O lugar também é conhecido pelas cabeças d’agua, um fenômeno natural em que o volume das águas do rio aumenta consideravelmente, em poucos minutos. Isso acontece por causa das chuvas que ocorrem nas proximidades.  Infelizmente, desta vez não deu pra ver isso acontecer, mas espero poder fotografar este fenômeno numa outra ocasião. Mesmo assim, foi ótimo poder fotografar as águas do Rio Soberbo e suas cachoeiras.

Nesta viagem eu levei uma câmera de 35mm com alguns rolos de filme preto e branco, Ilford HP5, uma Yashica Mat, um tripé e alguns filtros. E as fotos foram reveladas por mim mesmo no laboratório da Sopef aqui em Petrópolis.

Espero voltar logo, o lugar é muito bonito.

 

Também levei uma sony action emprestada do meu irmão, com a qual filmei o vídeo abaixo:

Fotos:

Guapi Guapi-2 Guapi-3 Guapi-4 Guapi-5 Guapi-6 Guapi-7 Guapi-8 Guapi-9 Guapi-10 Guapi-11 Guapi-12 Guapi-13 Guapi-14 Guapi-15 Guapi-16 Guapi-17 Guapi-18

 

Experimentando com duplas exposições e filme preto e branco

Apesar de saber das infinitas possibilidades de fotografia que a rua nos apresenta, morar numa cidade pequena às vezes pode parecer limitante e até mesmo frustante quando sempre andamos pelos mesmos lugares e paramos de enxergar coisas novas. Numa dessas fases de baixa criatividade, resolvi fazer uma coisa diferente, experimentar fotografar na rua com dupla exposição usando filme preto e branco.

A câmera que eu escolhi foi uma Canon Rebel G, que já tem este recurso eletrônico de dupla exposição, o que facilita bastante o trabalho. Basta configurar quantas exposições quer queimar no mesmo frame e pronto, podendo escolher no máximo 9. O filme foi um Delta 400 da Ilford revelado com ID 11 e fixador Rapid Fixer. Para revelar sempre utilizo o aplicativo Massive Dev Chart Timer.

Fotos:

Double Exposure-22 Double Exposure-23 Double Exposure-24 Double Exposure-25 Double Exposure-26 Double Exposure-28 Double Exposure-11 Double Exposure-13 Double Exposure-15 Double Exposure-16 Double Exposure-18 Double Exposure-19

 

Projeto fotográfico – 365 dias

canonet black

A ideia de fotografar todos os dias do ano não é nova, até porque o exercício de foco que isso exige nos leva a dar um salto em qualidade fotográfica. Mas como existe tempo certo para tudo e estamos no começo de um novo ano, considerei que este seria o momento mais propício a este tipo de projeto.

Em relação ao tema, escolhi como fio condutor os ensinamentos e a prática Zen. Logo de cara, o desafio será encontrar um nome adequado, posto que se trata de uma jornada fotográfica em busca dos conceitos do Zen e, como aprendi, não se pode vivenciá-lo e falar a respeito dele ao mesmo tempo. Então, sem querer ser pretensioso, cheguei ao título provisório de Zen 365.

Como se pode imaginar, um projeto diário destes requer muita disciplina e organização, habilidades que estão pouco presentes no meu cotidiano, mas que desejo desenvolver.

Fotografia

Para um ocidental cuja cultura é preponderantemente consumista, é muito difícil entender o Zen, mas acredito que não seja impossível. Por exemplo, no livro ‘A arte cavalheiresca de um arqueiro zen’ o Mestre sugere ao aprendiz que, por meio de alguma prática artística, ele poderia ter maior êxito ao entender o que era o Zen. Então, ele escolhe a arquearia, por ser mais próxima ao esporte que ele praticava: tiro ao alvo.

Claro que não pretendo comparar a fotografia com a arquearia nem com outra arte Zen, mas, como é a forma de arte com a qual mais me identifico e que me é mais íntima, encontrei nela um caminho para praticar o pensamento meditativo.

Objetivo do Projeto

Não existe uma finalidade neste projeto.

Não pretendo conquistar nenhum objetivo além do de compartilhar meus futuros aprendizados e impressões, até porque não é meu objetivo ensinar ou afirmar verdades, já que não sou mestre nem professor. Sou aprendiz e, se por acaso você se sentir inspirado ou influenciado, isso não virá de mim, mas do próprio Zen que já existe nas coisas.

Confira e acompanhe:

Página 1 de 612345...Última »